https://matogrossomais.com.br/wp-content/uploads/2019/11/WhatsApp-Image-2019-11-01-at-14.15.19.jpeg

FALHAS E SEM PROVAS

Abílio diz estar tranquilo com processo e se for cassado vai recorrer à justiça

Ednei Rosa

O vereador Abílio Jr (PSC), que responde a um processo na Comissão de Ética da Câmara Municipal de Cuiabá, e corre o risco de ter o seu mandato cassado, disse estar despreocupado, segundo ele, o processo não tem embasamento para afastá-lo, e caso for cassado, vai recorrer à justiça para reverter a decisão dos seus adversários parlamentares.

“Mais tranquilo possível, até porque o processo está cheio de falhas, não foi apresentado nenhuma prova contra o vereador Abílio, e sequer ouviu o vereador Abílio numa defesa do seu mandato, eu estou sendo acusado e não fui sequer ouvido” disse o parlamentar.

Questionado sobre a sua visão do processo na Comissão, o parlamentar disse que é uma articulação política, e que não tem nada de técnico no parecer ético da Casa, atacando assim o relator Ricardo Saad (PSDB), que já disse, que os trabalhos da Comissão foram puramente técnicos.

“Os vereadores aqui estão articulando a derrubada de um vereador de oposição ao prefeito […] A preocupação é cassar o mandato de um vereador que está trabalhando, sem ter prova, o processo é político, não é técnico”

“Com toda certeza (eu vou recorrer). Duas certezas a gente têm, uma, eu não renuncio, quem quiser votar para cassar meu mandato, cassa, o ano é eleitoral, as urnas vão lembrar de você. E segundo passo, o processo é cheio de falhas, se cassar meu mandato a gente volta.

Relatório da Comissão de Ética 

O relator do processo de cassação de Abílio, Ricardo Saad (PSDB), disse, nesta terça-feira (11), que o relatório já está pronto, mas que o teor dele deve ser apresentado somente nesta quinta-feira (13).

“O relatório está pronto e amanhã (quarta 12) eu apresento o para a Comissão de Ética e a partir daí, a gente protocola na Casa. Vamos entregar para o presidente (Misael Galvão (PTB)), e ele vai fazer o encaminhamento normal, vai para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que tem 15 dias para tomar a decisão” Explicou Misael.

Veja Mais

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO

  • 12 de fevereiro de 2020 às 15:42:36
  • 11 de fevereiro de 2020 às 21:22:32